Fechando a noite – Parte 2: IllumiNations

Como eu avisei na última postagem, eu dividi os shows de encerramento dos parques da Disney em três: mais diferente, mais bonito e mais especial.

Na última postagem, eu falei do Fantasmic!, o mais diferente. Dessa vez, é o mais bonito: IllumiNations, de Epcot.

Ao contrário do Fantasmic!, em que você precisa garantir um lugar na arquibancada do anfiteatro, no caso do IllumiNations, você vai conseguir ver o show, mesmo que não queira chegar cedo. Entretanto, chegar cedo pode garantir uma visão melhor.

Explicando… O IllumiNations: Reflections of Earth acontece no lago que fica no meio do World Showcase, área dos famosos pavilhões dos países. Se você chegar cedo, vai garantir um lugar na cerca, sem nenhuma cabeça à sua frente. E não espere, a menos que você seja uma criança pequena, que alguém vá ficar com pena de você que tem pouca altura. Se chegar tarde, vai conseguir ver, mas vai ter um cabeção na frente.

Ah! Viram que rola nome e sobrenome, né? É que o IllumiNations, na verdade, é uma série de shows que foram mudando ao longo dos tempos. E, atualmente, é o “IllumiNations: Reflections of Earth”. Enfim, foi só uma curiosidade.

Foto: Fernando Andrade

IllumiNations: Reflections of Earth, acontece no lago rodeado pelos pavilhões de Epcot.

Pelo menos, o lago é grande e tem muito lugar para ver. Conseguindo um lugar próximo à cerca (ou ao muro, dependendo do lugar), você vai ver bem praticamente de qualquer ponto ao redor do lago. Até tem área reservada para FastPass+, mas, honestamente, deixar de pegar uma fila mais rápida no Soarin’, para pegar um lugar reservado é muita burrice! A outra atração principal no grupo seria o Test Track, mas eu ainda iria de Soarin’. Enfim, ainda vou fazer uma postagem só sobre o FastPass+, mas o importante é que você não reserve FastPass+ para assistir o IllumiNations!

Ah! Mas tem um lugar que seja melhor para ver? Deixa eu pensar… Já vi na “Noruega”, no “Canadá”, na “Inglaterra”, em área VIP com grupos que eu levo, já vi em área reservada para os formandos do programa universitário da Disney, já vi em uma porrada de lugar! Honestamente, muda muito pouco! Se não tiver um cabeçudo na sua frente, a experiência é excelente de praticamente todos os cantos!

É legal ter uma área reservada? Muito! É necessário? Não!

Foto: Fernando Andrade.

Em meio aos fogos, um globo de LED representa a Terra.

No centro dos fogos de artifício, um globo de LED representa nosso planeta, desde sua origem, e os mais diversos povos, trazendo imagens das mais diversas culturas e etnias.

O espetáculo se divide em três partes: a primeira, a segunda e a terceira. Piadinha escrota, né?

Foto: Fernando Andrade

No primeiro ato do show, muito vermelho, para representar as erupções vulcânicas.

A primeira parte fala sobre o nascimento do planeta. Representando as erupções vulcânicas, muito vermelho e muitas chamas sobre o lago. É a parte dos fogos que eu mais acho bonita, apesar de o show todo valer muito a pena!

O segundo ato é “O Triunfo da Vida”! Provavelmente, é o que mais dá destaque ao globo de LED, mostrando a evolução do homem e suas conquistas ao longo dos tempos.

Foto: Fernando Andrade

Com um aspecto mais estrelado, “cometas” marcam o início da terceira parte do IllumiNations.

Já o terceiro e último ato, “Esperança para o Futuro”, traz “cometas” de luz branca. Os fogos, além de mais claros, têm um aspecto mais estrelado que os outros. Com o globo “desabrochando” como uma flor, de onde surge uma pira com a chama dos nossos sonhos, o show termina em mais uma grande queima de fogos.

Foto: Fernando Andrade

A chama dos nossos sonhos, no meio do globo terrestre que se abre como uma flor de lótus.

Dicas de foto:
Como o próximo post também é sobre queima de fogos, vou dividir. Nesse vou falar da parte prática, no outro, falo das configurações.

1 – Primeira e principal dica que eu posso dar, se você quiser fotografar um show de fogos, arrume um apoio, para deixar a câmera parada. Câmera na mão, invariavelmente, gera fotos tremidas e fogos sem nitidez. Os parques da Disney permitem que você leve um tripé, eles também têm interesse em que você tire boas fotos e mostre aos seus amigos. Eu uso um tripé leve, de alumínio, que foi comprado no Mercado Livre e que deve custar entre R$ 60,00 e R$ 70,00, nada muito absurdo. Mesmo que a sua câmera tenha uma função “fogos-de-artifício”, um bom apoio é fundamental.

2 – Outra coisa que deixa foto de fogos tremida é a mão pesada do fotógrafo. Eu uso um disparador remoto, que permite que eu acione a câmera, sem ter que encostar nela. Tem uns disparadores sem fio, estilo controle remoto, mas eu uso um com fio que tem mais algumas funções. Pressiono o botão pelo tempo que desejar capturar a imagem e, depois, é só largar.

3 – Minha Canon EOS T4i tem um recurso bem útil, que me permite disparar encostando na tela, por “touch screen”. Como ela é bem sensível, o toque pode ser bem delicado, sem balançar a câmera, depois, basta tocar novamente.

4 – Se a sua câmera não tiver esse disparo por “touch screen” e você não tiver um disparador remoto, você ainda tem esperança. Tem uma macetinho que eu uso muito, quando estou com câmeras compactas. Para não ter que apertar o botão na hora da foto, faça isso uns segundos antes! Use o timer da câmera, o mesmo que você usa nas festa de família e churrasco com os amigos, quando coloca a câmera numa mesa e sai correndo para aparecer na foto. A única desvantagem do timer é que você vai ter que “prever” o que vai acontecer.

5 – A última dica prática é observar. Eu já conheço os shows de encerramento da Disney a ponto de saber quando disparar ou não (e ainda erro um bocado), mas não é difícil pegar o timing dos shows. Se você observar nas fotos que postei, o IllumiNations é fragmentado, fogos diferentes não se misturam. Então, se você não pegou um desde o começo, espere que ele se apague e dispare, pois deve começar outro. Aí, é só esperar que ele se apague também. Pronto! Gostou do macete, né? Tem mais um, que eu vou guardar para o Wishes, que é mais útil lá.