Fechando a noite – Parte 3: Wishes

Fechando a série sobre os shows de encerramento dos parques da Disney, está na hora de falar do mais especial de todos eles: o Wishes, no Magic Kingdom!

Lembrando que, se você não leu os anteriores, sobre o Fantasmic! (Disney’s Hollywood Studios) e o IllumiNations (Epcot), é só clicar no nome de cada show.

Por que é o mais especial? Eu poderia arrumar milhares de argumentos, como o fato de ser no Magic Kingdom, o parque que todos pensam, quando se fala em Disney. Na verdade, muitos acham que o Magic Kingdom É A DISNEY. Eu poderia dizer que ele é especial por acontecer como plano de fundo para o Castelo da Cinderella, que é o principal ícone dos parques Disney. Eu poderia dizer uma porrada de coisa, tudo seria verdade. Mas, além disso tudo, ele é especial para mim por ser um show que eu vi praticamente todas as noites, por quase um ano, e nunca deixou de me encantar.

Foto: Fernando Andrade

O Castelo da Cinderella, principal ícone dos parques Disney, é a referência para o espetáculo Wishes.

Principalmente no início do meu trabalho como Cast Member (maneira como os funcionários da Disney são chamados), eu passava todas as noites caminhando pela Main Street. Até hoje, quando eu olho essas fotos, começa a tocar “Star light, star bright. First star I see tonight…” na minha cabeça.

E é da Main Street, a rua em que você chega assim que entra no parque, que você deve assistir ao Wishes. Se estiver na Fantasyland, por exemplo,  e você perguntar a algum Cast Member, um lugar bom para ver os fogos, ele vai falar que dá para ver bem de lá, mas é porque querem diminuir a lotação da Main Street. Você até vê os fogos, mas bem fora de contexto.

O Wishes foi planejado para ser visto com o castelo à sua frente, então lembre-se disso na hora de buscar um lugar.

Eu gosto de dois pontos, especialmente para fotografar o espetáculo. O primeiro na altura da esquina da Main Street, no meio da rua (entre o Casey’s e o Ice Cream Parlour). O outro é bem lá atrás, no alto da estação de trem, mas tem que chegar bem cedo, para garantir um lugar na grade.

Foto: Fernando Andrade

Espetáculo Wishes visto da estação de trem, na entrada do Magic Kingdom.

Como a Disney tem realizado um show de projeções no castelo antes da queima de fogos, se eu tiver que escolher um lugar só, principalmente para quem vai a primeira vez, seria na altura da esquina que falei, mas para os fogos, a vista na estação, como você pode ver na foto, não é nada ruim também.

Foto: Fernando Andrade

Quase 700 fogos formam o show de encerramento do Magic Kingdom.

O show é apresentado pelo Grilo Falante e pela Fada Azul, falando da força dos desejos (wishes, em inglês) e de acreditar. Então, nós passamos pelos desejos de diversos personagens da Disney, como o do Pinóquio, de se transformar em um menino de verdade, e o do Aladim, pela liberdade do Gênio.

Como toda história que se preze, essa também tem uma luta do bem contra o mal, representado pelo desejo de poder da Rainha Má, da Branca de Neve.

Foto: Fernando Andrade

Estrelas em um castelo azulado para representar os desejos do Mickey Aprendiz de Feiticeiro, de Fantasia.

Cada grupo de desejos é representado por uma trilha sonora própria e por um conjunto diferente de fogos e de iluminação do castelo, para dar um efeito visual ainda mais deslumbrante!

O Wishes leva cerca de 12 minutos, com quase 700 fogos (683, para ser preciso). É difícil você não sair do parque encantado, então vale a pena, mesmo com todo o cansaço que você vai estar sentindo, esperar para ver.

Eu até falo que o show de Epcot é mais bonito, já que esse é mais especial, mas é uma disputa bem acirrada. Melhor do que se ligar na minha opinião, é você ir até lá, assistir os dois e decidir por conta própria.

 

Dicas de foto:
Lembrando que essas dicas são em conjunto com as dicas da postagem anterior, que fala sobre o IllumiNations

1 – A primeira dica que eu vou dar serve para qualquer queima de fogos que você vá assistir. Por já ter assistido, literalmente, centenas de vezes os shows da Disney, eu sei quando determinado tipo de explosão vai ocorrer ou não, mas uma dica que eu dou, para quem não conhece o espetáculo, é observar pequenos pontos luminosos subindo. Quando você vir que um ponto subiu, já pode disparar a câmera, pois vem explosão. Lembre que tem que ficar no manual, captando a imagem até os fogos daquela explosão se apagarem.

2 – Outra dica legal é tirar fotos mais abertas, pegando um espaço maior do que você acredite ser necessário. Os fogos-de-artifício, ao explodirem, se espalham por uma área muito grande. Como as resoluções das câmeras digitais têm melhorado muito, depois é só você “cropar” (recortar) as fotos em um programa de edição de imagens. Você vai perder pouca coisa, em termos de resolução e ainda vai garantir que pegou toda a imagem formada pelos fogos.

3 – Fogos são uma fonte de luminosidade muito grande. Sendo assim, para não causar uma superexposição (aquela foto que muitos chamam de estourada, que fica muito clara), é preciso trabalhar com uma sensibilidade baixa e uma abertura pequena, até para pegar o castelo e os fogos bem focalizados. Em todas as fotos, usei ISO 100 e f/22. O tempo de cada foto é que variou, pois dependia de cada sequência de explosões. Já expliquei um pouco como funcionam ISO, abertura e tempo de exposição no postagem sobre Peulla, é só dar uma olhada lá.