Engordando em Miami: The Knife

Foto: Fernando Andrade

Honestamente, se tem uma coisa que faz um gordo feliz, essa coisa é comer! Muitos gordinhos fazem aquela cara de coitado e falam que não sabem o motivo pelo qual estão em forma (de barril). Não é o meu caso. Eu sei o motivo pelo qual eu sou gordo, eu gosto de comer e, quando acho algo que gosto, fico feliz comendo.

Foto: Fernando Andrade

A churrascaria tem duas entradas, uma pela praça de alimentação do Bayside e uma pela marina (foto), em frente ao Hard Rock Cafe.

E eu posso dizer, sem vergonha, que a churrascaria argentina “The Knife” me fez um cara muito feliz! Sério! Eu até abri mão de colocar, mais abaixo, uma foto tirada com a minha câmera para colocar uma que a Aline tirou com o celular dela, mas que resume melhor o meu estado de espírito em um lugar como esse!

Aliás, esse post é uma homenagem à Virgínia Wildhagen, ou “a Mãe do Quatorze”, como preferirem, que é nutriicionista e sempre me perutrbou para fazer uma dieta séria. Como agradecimento pelo seu esforço e por acreditar que, um dia, vai me fazer comer uma folha de alface, deixo aqui até os links para o seu site (Nutrilight Dietas), e a página no Facebook. Depois desse momento solene, de homenagear quem acredita em Papai Noel, Coelhinho da Páscoa e em mim comendo salada, vamos voltar à realidade.

Foto: Aline Ramos

Carne liberada e de qualidade, para a alegria de carnívoros como eu!

Eu já falei que tento evitar lugares mais conhecidos, por isso já falei do Shorty’s Bar-B-Q, que serve um autêntico “american barbecue”. E com muitos brasileiros sentem falta de uma comida mais próxima da nossa, resolvi falar da Knife e, em breve, pretendo falar de uma churrascaria brasileira que não é nenhuma das duas mais famosas, e caras, de Miami.

Foto: Fernando Andrade

Para quem curte, rola um bufê de saladas e acompanhamentos.

Como vocês podem ver na foto acima, até rola um bufê de saladas e afins, mas eu sou carnívoro. Na verdade, até comi uma salada de batatas, que não é  feita com maionese, como estamos acostumados a comer no Brasil. Na Knife, eles usam sour cream e ficou muito bom! Viu, dona Virgínia? Comi alguma salada!

“Nando, é rodízio?”

Não! Não é rodízio, mas é “all-you-can-eat”, em que você também come à vontade. Os garçons não vêm à sua mesa, com a carne no espeto, te oferecendo os diferentes cortes, como estamos acostumados a ver nas churrascarias brasileiras.

Foto: Fernando Andrade

No lugar de ser servido pelos garçons, na Knife, os clientes escolhem os cortes que querem direto na grelha, com o “asador”.

Na knife, você vai até o “asador” (churrasqueiro) e escolhe as carnes que você deseja, na quantidade que quiser. E pode repetir o processo quantas vezes quiser.

É até difícil falar tudo o que servem, mas tem chorizo (linguiça argentina) feito pelo próprio restaurante, costelas de porco e boi, fraldinha, frango assado, frango com bacon, frango com queijo, lombo de porco recheado, picanha, etc. E, claro, molho chimichurri!

Todas as carnes são preparadas na churrasqueira a carvão, seguindo a tradição argentina.

Todas as carnes são preparadas na churrasqueira a carvão, seguindo a tradição argentina.

Como, geralmente, os turistas têm mais tempo livre, uma dica que dou é ir em dia de semana, no horário do almoço. Além de ser mais barato (já falo dos preços), o restaurante fica bem mais vazio. Então, além de ter menos gente para os garçons atenderem, você tem mais chance de escolher uma mesa que mais te agrade.

Foto: Fernando Andrade

O horário de almoço, em dias de semana, é o mais vazio, além de mais barato.

Ano passado, quando fui ao Chile e a Argentina, eu comi no restaurante “El Boliche de Alberto”, que me foi indicado por alguns argentinos, a quem eu perguntava nas ruas, como a melhor “parrilla” de Bariloche. Vou dizer que, honestamente, “The Knife” não é uma tentativa de imitar o churrasco argentino. O negócio é real, é do mesmo nível!

Outra coisa que vale muito a pena destacar, antes de falar dos valores, é que além das carnes, buffet de saladas e acompanhamentos serem liberados, o preço também inclui uma sobremesa e bebidas. No caso das bebidas, vocë pode optar entre refrigerante (livre), dois chopes ou uma garrafa de vinho (não sei qual). Qualquer coisa diferente disso é cobrado à parte. Mas é sério! Olha a cara desse rocambole de doce de leite com sorvete de baunilha, ou “Dulce de Leche Roll”!

Foto: Fernando Andrade

O preço da refeição também inclui uma sobremesa, como o “Dulce de Leche Roll”.

A Knife tem sete restaurantes: Hallandale Beach, Sawgrass Mills, Miami International Mall e Bayside Marketplace, Orlando, Virginia e Madri. As três primeiras dicam próximas a Miami, mas a unidade que visitamos fica no Bayside Marketplace, que foi assunto no último post, no centro da cidade e tem preços diferentes, dependendo do dia e do horário:
– Almoço de segunda a sexta: US$ 21,95;
– Jantar de segunda a quinta: US$ 28,95;
– Almoço aos sábados e domingos: US$ 28,95;
– Jantar de sexta a domingo: US$ 31,95.

A Aline mora aqui e é contra coverter valores. Eu moro no Brasil e ganho em reais, então a conversão é natural e necessária, no meu caso. Mas, mesmo fazendo a conversão, não vou dizer que é barato, mas é o preço de uma churrascaria boa no Brasil (pelo menos, no meu Rio de Janeiro querido), sem sobremesa e bebidas. Então, acho que vale muito a pena!

Carnívoro, eu não posso dar outra nota: 10!

 

Se quiser ficar por dentro de tudo que ando fazendo e por onde estou andando, é só me seguir nas redes sociais!
Fernando Andando no Facebook
Fernando Andando no Instagram
Fernando Andando no Youtube
Fernando Andando no Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.