Engordando em Miami: Steak Brasil

Fala, galera!

Foi mal por ter sumido mais um tempinho, mas o final de viagem foi cheio de correria.

Mas, apesar da correria, ainda deu tempo de conhecer coisas novas.

E uma dessas coisas foi a Steak Brasil. Uma excelente churrascaria, bem no centro de Miami!

No post sobre a churrascaria argentina Knife, eu já falei que sou carnívoro e que fico feliz com muita comida. Apesar disso, a Steak Brasil me deixou triste. Eu fiquei triste por ter só um estômago. Se tivesse como colocar estômago extra, estilo HD externo, acho que eu estaria comendo até agora.

Durante os dois meses que passei em Miami, conversei com muitos brasileiros na rua e, invariavelmente, eles diziam que sentiam falta da comida e que foram à Texas de Brazil ou à Fogo de Chão, sempre com um “apesar do preço”. As duas, provavelmente, são as duas maiores redes de churrascarias que você pode encontrar nos Estados Unidos. E não discuto a qualidade delas, mas a Steak Brasil, além da qualidade, não tem esse “apesar”.

Foto: Fernando Andrade

Linguiça, picanha e farofa de ovo: tradição das churrascarias brasileiras, bem no centro de Miami.

Antes de mencionar a carne, quero falar de outras coisas, começando por algo que eu amo tanto que escolhi colocar como a foto de destaque, no banner nessa postagem: feijão tropeiro!

Eu sou filho de nordestino e como feijão tropeiro desde que me entendo por gente. Confesso que eu não esperava encontrar feijão tropeiro em Miami. Mas, depois de encontrar, confesso que não esperava que ele fosse bom. Felizmente, me surpreendi duas vezes.

Outra coisa que chama bastante a atenção é o buffet de saladas e pratos frios. Confesso que me chamou a atenção pela beleza e pela variedade, mas não vou mentir para vocês e falar que eu me esbaldei no alface, já que eu estava ali para comer comida de gordo! Apesar disso, para quem gosta de mato, tudo parecia muito bom!

 

Foto: Fernando Andrade

Disponível para quem participa do rodízio, também é opção para quem é vegetariano.

Outra coisa bacana é que eles trazem as guarnições à mesa. Até aí, todas as churrascarias também fazem, eu sei. As guarnições, por sinal, vêm em porções pequenas: aipim frito (ou mandioca, dependendo de onde você seja), batata frita, banana, pão de queijo, farofa de ovo.

Mas o fato de as porções serem pequenas é bom? Na minha opinião, de gordo, sim! Sempre que vou a uma churrascaria no Rio, com porções grandes, sobra na mesa batata murcha, banana fria e um monte de comida que acaba sendo desperdiçada e que os garçons só trocam quando você pede. Com as porções pequenas, você acaba comendo tudo enquanto ainda está quente, fresquinho, acabando mais rápido. E, de qualquer forma, os garçons trazem mais quando acaba, então não faz sentido ter uma porção grande de comida estragando.

Outra coisa que trouxeram à mesa e que estava muito bom foi o queijo muçarela (sim, linguística, é com “Ç”) derretido. Tivemos que pedir, mas veio rapidinho.

Foto: Fernando Andrade

A muçarela derretida é servida à mesa e chegou ainda borbulhando.

Falando das carnes, sempre ouvi que “a fome é o melhor tempero” e eu estava com “fome de churrasco”, então achei tudo maravilhoso. Mas, sendo o mais honesto possível, as carnes da Steak Brasil não deixaram nada, nada mesmo, a desejar, se comparada a qualquer churrascaria em que eu já tenha comido.

Eu comi picanha, linguiça, fraldinha, paleta de cordeiro e alcatra. Pode parecer até que comi pouca coisa, mas é que foi tudo “no atacado”. Cada vez que a picanha chegava, já ficavam três fatias. Vinha fraldinha, mais dois pedaços. Passava paleta, mais dois. Tudo isso repetido várias e várias vezes.

A Aline ainda comeu coração, que é algo que eu acho sem graça sempre, então nunca pego. Mas, para quem gosta, ela disse que estava muito bom.

Foto: Fernando Andrade

Ainda soltando fumaça, a picanha é o mais tradicional corte das churrascarias brasileiras e, claro, a estrela da Steak Brasil.

Eles também oferecem uma feijoada, sempre no primeiro sábado de cada mês, mas nós fomos em uma segunda-feira, então não provamos. Apesar de que, se for pegar o exemplo do feijão preto com arroz e farofa que eu comi, tenho certeza que a feijoada também deve ser maravilhosa! Milena e Jaciel, quem sabe não rola mais um post, dessa vez sobre a feijoada, quando eu voltar a Miami, hein?

Por falta de espaço na barriga, eu e a Aline dividimos a sobremesa. Comemos um ótimo pudim de leite, com gosto daquele que você come em casa. Mas o mais importante, nesse caso, é a informação de que eu, EU, tive que dividir uma sobremesa por falta de espaço no estômago. Sim, eu comi tanto assim!

Foto: Fernando Andrade

O pudim de leite é uma das tradicionais sobremesas brasileiras servidas na Steak Brasil.

Como estava caindo um temporal, Miami já enfrentava mais de dez dias seguidos de chuva, o restaurante não estava muito cheio, mas sempre que eu vou a algum restaurante, ainda mais quando sabem que eu tenho um blog de viagens, eu costumo observar o tratamento que os garçons oferecem a outros clientes. É natural que eles recebam orientação para me tratarem bem, pois sabem que eu vou falar do lugar, mas na Steak Brasil, além de nos atenderem de maneira excelente, pude ver que ofereceram o mesmo tratamento a todas as outras mesas.

Pode ser pela saudade da comida do Brasil, pode ser por ser carnívoro, pode ser por ter feijão tropeiro, pode ser por um monte de coisa, mas a minha avaliação só pode ser NOTA 10!

Foto: Fernando Andrade

Batata frita, aipim frito e pão de queijo são algumas das guarnições servidas na Steak Brasil.

A Steak Brasil fica em Downtown Miami, o centro da cidade, com fácil acesso e perto de outras atrações da cidade, como o Bayside Marketplace. Se você estiver sem carro, também dá para utilizar o Miami Trolley e o Metro Mover, meios de transporte gratuitos que eu já mencionei aqui no blog.

O endereço é 190 Southeast 1st Avenue, Downtown, Miami. E o telefone para reservas ou mais informações: (305) 415-2006.

Os preços são melhores que os das churrascarias mais famosas:
– Rodízio no horário de almoço, de segunda a sexta: US$ 21,99;
– Rodízio no jantar, de terça a sexta, e durante qualquer horário do final de semana: US$ 26,99;
– Vegetariano – Buffet de Saladas (nem acredito que estou colocando isso, mas tem uma galera que só gosta de comer mato, então tem opção): US$ 17,99;
– Feijoada com buffet de saladas (primeiro sábado de cada mês): US$ 21,99.

Também rolam uns pratos executivos no almoço, durante a semana. O cardápio é esse aí de baixo, da foto que a Milena me enviou.

20151013_144921-1

Os horários de funcionamento são:
– Segunda: 11:30 às 17h;
– Terça a sexta: 11:30 às 22h;
– Sábado: 12h às 22h;
– Domingo: 12h ãs 19h.

Ah! Sempre sendo honesto com quem lê o meu blog, esse post não foi pago, mas o meu almoço também não. Fomos convidados e aceitamos, como podemos aceitar qualquer outro convite que façam.

E, para deixar claro também, sempre que me convidarem, serei honesto com tudo o que eu achar. Então, tudo o que está nesse post reflete a minha sincera opinião.

Se quiser ficar por dentro de tudo que ando fazendo e por onde estou andando, é só me seguir nas redes sociais!
Fernando Andando no Facebook
Fernando Andando no Instagram
Fernando Andando no Youtube
Fernando Andando no Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.